Livros · Vídeos

Livro: O Iluminado (vídeo)

iluminado1

O ILUMINADO
Autor: Stephen King
Título Original: The Shining
Tradutora: Betty Ramos de Albuquerque
Editora: Objetiva, pelo selo Suma de Letras
Ano: 2012 (original: 1977) pgs: 388
Gênero: Romance, Terror, Horror

Outro vídeo para o mês do horror! Dessa vez é sobre O Iluminado, do Stephen King!
Já falei aqui que tenho o objetivo de ler Stephen King em ordem cronológica, e esse é o terceiro livro dele que leio. Já posso dizer que entendo por que ele é um autor com uma legião de fãs tão devotada.
No vídeo falo mais sobre a história e a escrita do autor, explicando o que mais gostei e o que não achei tão bom assim. Assistam!

Deixei o post no blog para discutir um assunto que acho muito relevante no livro: a questão da loucura x possessão.

iluminado3

Senti o tempo todo que, por mais que Jack seja o protagonista desta estória, Danny é o ponto principal do desenvolvimento do enredo. E ele é também o centro que sustenta a questão primária do enredo que é a existência ou não de fantasmas no Overlook. Em muitos momentos, acreditamos que a abstinência e a reclusão causadas pela situação sejam o agente motivador para a explosão de Jack do meio para o fim, tanto pelo fato dele mostrar a falta da bebida através do lenço que passa na boca o tempo todo quanto a raiva pela mulher, a culpando por ser a responsável por sua abstinência.

Danny, entretanto, é quem apresenta os fantasmas do Overlook de maneira clara o tempo inteiro. Ele sempre se mostrou um garoto bastante certo de si, apesar da idade, e que não está criando coisas da sua cabeça. Tony pode aparecer como um amigo imaginário, dando a entender que o garoto pode ter uma imaginação muito fértil e realmente está só imaginando tudo aquilo, mas logo no fim percebemos que Tony é, na verdade, um alterego. Danny criou Tony para aceitar de uma melhor maneira aquilo que via, colocando a culpa no suposto amigo por “dizer-lhe” as coisas que ele naturalmente sabia sobre futuros acontecimentos e sentimentos alheios. Danny vê coisas de fato.

iluminado14

A intenção de Stephen King foi realmente confundir, criar um ambiente hostil e incerto, dando várias alusões à imaginação e à loucura através desses pequenos artefatos para prender o leitor sem deixá-lo saber com certeza do que aquilo que está lendo se trata. Achei isso espetacular em relação a esse desenvolvimento criado por ele, porque foi feito com maestria. Jack parece verdadeiramente que enlouqueceu em certos momentos. Mas até que ponto aquilo é realmente loucura e não alguém agindo dentro de seu corpo? Foi isso que eu vi.

Quando Danny fala que aquele não é seu pai e Wendy reitera o pensamento dizendo que Jack já está morto antes mesmo de seu corpo explodir junto com o Overlook, é quando Stephen King deixa claro que aquilo não é um estado de loucura e sim uma possessão. Mas, sim, essas diversas idas e vindas de Jack mudando sua personalidade durante o desenvolvimento a partir de sua abstinência, frustração e, principalmente, egocentrismo me confundiram em diversos momentos.

iluminado2

O que quero dizer aqui é que a minha interpretação é de que não existe loucura ali. Nenhuma. Existe uma possessão pura e simples que ocorre aos poucos. Não sei se o próprio Overlook o possui ou se é o espírito de alguém, isso não ficou claro para mim, e não era a intenção de Stephen King deixar isso claro.

E tu, o que achas dessas questões? Qual foi tua interpretação?

Avaliação: 4,5 xícaras (4,5/5)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s